Artigos
5 de março de 2021 O silêncio dos enterrados
“Naquela mesa ele sentava sempre / E me dizia sempre o que é viver melhor / Naquela mesa ele contava histórias"

 

 

Silêncio de uma ausência, de um espaço vazio, de um vácuo sem fundo, de um nome e de um rosto que para sempre partiram, de uma história brutal e precocemente interrompida. Silêncio dolorosamente estridente, quase ensurdecedor, como nos faz recordar a canção em homenagem a Jacob do Bandolim, composta pelo poeta Sérgio Bittencourt e imortalizada na voz de Nelson Gonçalves: “Naquela mesa ele sentava sempre / E me dizia sempre o que é viver melhor / Naquela mesa ele contava histórias / Que hoje na memória eu guardo e sei de cor / Naquela mesa ele juntava gente / E contava contente o que fez de manhã / E nos seus olhos era tanto brilho / Que mais que seu filho / Eu fiquei seu fã /Eu não sabia que doía tanto / Uma mesa num canto, uma casa e um jardim / Se eu soubesse o quanto dói a vida / Essa dor tão doída não doía assim / Agora resta uma mesa na sala /E hoje ninguém mais fala do seu bandolim / Naquela mesa 'tá faltando ele / E a saudade dele 'tá doendo em mim”.

 

Passado mais de um ano desde que o novo coronavírus desembarcou em território brasileiro, quantas “casas e jardins” desertos, quantas “mesas num canto”, quantos sofás órfãos na sala, quantos “bandolins” abandonados, quanta dor “tão doída”, quantas saudades sem fim? E que falta fazem aquelas histórias contadas e recontadas na roda íntima da família – gratuitamente, sabiamente, calorosamente – sobretudo quando restou apenas o eco sombrio e desolado das palavras silenciadas! Por que se apagou a luz e o brilho que “nos seus olhos era tanto”, deixando espalhadas ao vento as cinzas invisíveis de uma catástrofe? É como se até mesmo a memória se desvanecesse com a separação do ente querido. Nem sequer tivemos o conforto de contar com um velório decente e uma despedida digna. Partiu solitário, dividindo a tristeza e a solidão com os membros da família enlutada e destroçada.

 

Um ano de pandemia. Um ano de intenso combate a esse inimigo silencioso, invisível e letal. Um ano em que um exército inumerável de profissionais de saúde teve que tomar decisões que deixaram esses soldados, a si próprios, com feridas abertas talvez para o resto de suas vidas. Um de convívio diário e impactante com o fim trágico de parentes e amigos. Um ano marcado por mais de 260 mil vítimas fatais. No fundo, uma batalha tão mortífera como poucas o têm sido ao longo da história humana. Guerra que mata e mutila de forma aleatória e descontrolada, mas em particular abrevia a vida de não poucos anciãos ou enfermos mais vulneráveis. Assim se foram Fulano, Sicrano, Beltrano – nomes que simbolizam a tantos que riram, choraram, trabalharam, lutaram e sonharam nos mesmos caminhos que juntos trilhamos, mas que perderam o combate para o Covid-19. Assim permaneceram as famílias a quem os falecidos pertenciam. Um golpe mortal os separou para sempre, povoando os cemitérios com os cenários mais macabros, onde reina o silêncio retumbante dos enterrados.

 

Junto a esse silêncio – de ausência, vazio e solidão – cresce também uma voz surda e muda, mas nem por isso menos crítica e consciente do desgoverno das autoridades brasileiras. Desgoverno que na se refere somente à área da saúde. Ao contrário, reflete-se no desmonte sistemático e não raro irreversível de políticas públicas construídas a custo nas últimas décadas. Nesse desmonte, não seria difícil elencar, por exemplo, a questão do meio ambiente, das relações exteriores, da segurança dos cidadãos, da educação básica e superior, da ciência, cultura e pesquisa... Daí a ira viva, ativa e subterrânea que vai estendendo suas raízes pelo tecido esgarçado de uma sociedade dividida e fragmentada. Parafraseando o escritor estadunidense John Steinbeck, premio Nobel da literatura (1962), na escuridão úmida do solo, a revolta faz florescer e amadurecer com força “as vinhas da ira”, prontas para a vindima. Não importa quando virá a colheita, mas lentamente os brotos vão se multiplicando e de abrindo para o ar livre, o céu azul e a luz do sol. 

 

Se é verdade que as derradeiras décadas do século XX representaram uma época de colheita, e se é verdade que uma geração dificilmente é premiada com mais de uma safra, também é certo que a semeadura prossegue laboriosa e conscientemente.

 

Pe. Alfredo J. Gonçalves, cs, vice-presidente do SPM – São Paulo, 04 de março de 2021



ver mais notícias

Imagens da Semana On Monday, January 25, 373 migrants on board the Ocean Viking were disembarked in the port of Augusta in Sicily. The migrants had been rescued from three different small boats in the space of 48 hours.

Mais imagens
Receba nossa newsletter Assine nossa newsletter e receba novidades por e-mail
Seu E-mail foi cadastrado com sucesso!
OpsSeu E-mail já está cadastrado em nosso newsletter!
ATENÇÃOO formato do e-mail está incorreto.
© Missionárias Scalabrinianas. Todo o conteúdo deste site é de uso exclusivo de Missionárias Scalabrinianas. Proibida reprodução ou utilização a qualquer título, sob as penas da lei. All rights reserved.