Mundo
10 de fevereiro de 2021 ACNUR e Pacto Global lançam plataforma ‘Refugiados Empreendedores’
O objetivo da ferramenta é dar visibilidade aos négocios liderados por empresários refugiados no Brasil

Imagem

 

 

Por Larissa Freire

Imprensa Scalabriniana

Da Redação

São Paulo

 

A plataforma ‘Refugiados Empreendedores’ foi lançada hoje, 10 de fevereiro às 10 da manhã, pela Rede Brasil do Pacto Global da ONU e ACNUR (Agência da ONU para Refugiados), com o objetivo de trazer visibilidade aos negócios liderados por empresários refugiados no país.

 

O lançamento da ferramenta, transmitido por Ecoa, plataforma do UOL por um mundo melhor, e também no canal do UOL no YouTube, contou com a presença dos empreendedores Jacqueline Esther Rodriguez Diaz, Rosa Paulina Bravo Henriquez e Anas Rjab, profissionais refugiados que trabalham em diferentes regiões do país em áreas como serviços gráficos, artesanato e gastronomia, respectivamente.

 

A mediação foi feita pelo jornalista e colunista de Ecoa, Rodrigo Ratier. Além das participações da diretora de relações institucionais da Rede Brasil do Pacto Global, Barbara Dunin, o Representante do Acnur Jose Egas e a jornalista Gabriela Bazzo.

 

A plataforma visa oferecer oportunidades de capacitação aos empreendedores, afim de trazer visibilidade a seu trabalho e além de conectar esses pequenos negócios a potenciais consumidores. Empreendedores refugiados interessados em participar do projeto podem se inscrever pelo site.

 

O chef Anas, por exemplo, é natural da Síria e chegou ao Brasil vindo da Líbia, onde fez faculdade e trabalhou como engenheiro de telecomunicações. “O conflito na Líbia fez com que eu perdesse meu trabalho, perdesse tudo. Ficou bem difícil”, diz ele. A saída foi vir para o Brasil em 2015. Sem conseguir uma colocação em sua área de formação, começou a vender comida e criou a Simsim Culinária Árabe.

 

Já as venezuelanas Jacqueline e Rosa, apesar das dificuldades de recomeçar a vida, conseguiram retomar atividades com as quais já estavam familiarizadas no país natal. Em Boa Vista (RR), Jacqueline aproveitou incentivos para pequenos negócios e montou uma gráfica, negócio que conciliava ao trabalho de diretora de uma escola antes de migrar.

 

Rosa também foi para a capital de Roraima antes de se estabelecer em Brasília com a família. Ela criava peças de cerâmica e em macramê no país natal e, por aqui, viu no artesanato também uma forma de sustentar o casal e duas crianças.

 

O Oficial de Meios de Vida do Acnur, Paulo Sergio Almeida, afirma que cada vez mais as pessoas refugiadas estão empreendendo do Brasil, gerando renda e contribuindo com as comunidades onde estão inseridas. “No contexto da Covid-19, tiveram que superar novos desafios, em especial por meio do comércio eletrônico. Para o Acnur, é fundamental que refugiados empreendedores possam ter apoio para a criação, manutenção e expansão de seus negócios”, explica.

 

 

Confira a Live completa do lançamento:

 

 



ver mais notícias

Imagens da Semana On Monday, January 25, 373 migrants on board the Ocean Viking were disembarked in the port of Augusta in Sicily. The migrants had been rescued from three different small boats in the space of 48 hours.

Mais imagens
Receba nossa newsletter Assine nossa newsletter e receba novidades por e-mail
Seu E-mail foi cadastrado com sucesso!
OpsSeu E-mail já está cadastrado em nosso newsletter!
ATENÇÃOO formato do e-mail está incorreto.
© Missionárias Scalabrinianas. Todo o conteúdo deste site é de uso exclusivo de Missionárias Scalabrinianas. Proibida reprodução ou utilização a qualquer título, sob as penas da lei. All rights reserved.