Brasil
8 de fevereiro de 2021 Contratar refugiados ajuda na diversidade e é mais fácil do que parece
Especialistas que participaram do Exame Talks sobre a inclusão de refugiados no mercado defendem que desafio é sensibilizar as empresas

 

Por: Victor Sena 

 

Venezuelanos, sírios, angolanos. Essas são algumas das nacionalidades que compõem a legião de refugiados que vieram para o Brasil. Hoje, existem cerca de 300 mil pessoas no país em situação já reconhecida de refúgio ou em processo de reconhecimento, segundo a Agência da ONU para Refugiados. 

Nos últimos anos, a guerra civil síria e a crise econômica que assola a Venezuela foram algumas das causas dessa migração. Como já tem uma política de abrigo, o verdadeiro desafio do país está em garantir a integração dessa população, principalmente na hora de ter acesso ao mercado de trabalho. 

Para vencê-lo, o primeiro passo é reduzir a resistência das empresas em contratar refugiados, de acordo com Paulo Sérgio de Almeida, da Agência da ONU para Refugiados no Brasil. Segundo ele, uma pesquisa de 2019 mostra que 34% da população tem ensino superior ou pós-graduação, mas mesmo assim a inserção é difícil.

Este foi o assunto do Exame Talks “A contratação de profissionais refugiados pelas empresas” desta quinta-feira, que contou com a participação de especialistas do assunto e de uma refugiada.

Por trás dessa barreira, está a falta de conhecimento sobre como é a situação legal de um refugiado. A legislação brasileira garante documentação, como CPF e carteira de trabalho, até para os recém-chegados, que ainda não terminaram seu processo legal de pedir o refúgio.

Eles têm a possibilidade até de ser microempreendedores. Além disso, Paulo Sergio aponta que a revalidação de diplomas do ensino superior é mais um desafio dos empregadores. Segundo a Acnur, apenas 10% da população refugiada está no mercado formal.

Entre os principais benefícios da contração de refugiados estão: mais diversidade nas equipes, inovação e resiliência. Na visão de Paulo Sérgio, refugiados costumam desenvolver inteligência emocional desenvolvida e capacidade de enfrentar dificuldades. Além disso, há mais engajamento e o índice de retenção é melhor. 

Empresas que não podem contratar têm a possibilidade de criar programas de treinamento e ações sociais voltadas para a população.

 

O diretor-executivo da Rede Brasil do Pacto Global, Carlo Pereira, defende que as empresas atuem nessa frente:

“O Brasil assinou tratados para que a gente faça acolhimento. Então, é papel das empresas como cidadão corporativo atuar nessa integração. Existe um papel moral”, argumenta. “Uma pesquisa já mostrou que 86% das pessoas acredita que as empresas devem falar sobre temas da sociedade, mesmo que não estejam relacionadas ao seu negócio. 70% entendem que os CEOs devem tomar ações para a sociedade. Há uma expectativa para que as empresas ajudem a endereçar essas questões, como as ambientais e sociais”.

Além dos benefícios para as equipes, como a diversidade, a contratação de refugiados também pode servir de case para as empresas. Esse é o caso do Grupo Renner, que abriu um programa de capacitação para mulheres refugiadas, que já garantiu a contratação de 90 delas.

Eduardo Ferlauto, executivo do grupo, afirma que as políticas de inclusão de refugiados foram bem recebidas pelas equipes. Ele destaca também como é importante a empresa fazer o acompanhamento do processo de integração do funcionário e reforçar qual é a cultura daquele ambiente.

Como o estado de Roraima é o mais afetado pela crise migratória na fronteira da Venezuela, Paulo Sergio de Almeida, da Acnur, entende que é importante “interiorizar” o fluxo migratório de refugiados, ajudando as pessoas a irem para outros estados, onde podem ter mais oportunidades de trabalho.

No Exame Talks desta quinta-feira, a conversa também contou com a presença da venezuelana Elianeth Ramos, que trabalha como auxiliar de logística na Tembici, e é refugiada.

“Eu me senti muito acolhida. Me sinto muito grata. No trabalho, existem valores em comum que nos unem como profissionais.”



ver mais notícias

Imagens da Semana On Monday, January 25, 373 migrants on board the Ocean Viking were disembarked in the port of Augusta in Sicily. The migrants had been rescued from three different small boats in the space of 48 hours.

Mais imagens
Receba nossa newsletter Assine nossa newsletter e receba novidades por e-mail
Seu E-mail foi cadastrado com sucesso!
OpsSeu E-mail já está cadastrado em nosso newsletter!
ATENÇÃOO formato do e-mail está incorreto.
© Missionárias Scalabrinianas. Todo o conteúdo deste site é de uso exclusivo de Missionárias Scalabrinianas. Proibida reprodução ou utilização a qualquer título, sob as penas da lei. All rights reserved.