Artigos
21 de janeiro de 2021 Os democratas distraídos
Um dado divulgado no passado domingo nos Estados Unidos atesta que as mentiras e falsidades propaladas pela Internet pelos trumpistas em geral diminuíram 70 por cento após o encerramento das contas do ex-presidente do país (o novo, Joe Biden, assume hoje) e dos seus aliados. Pela parte que me cabe, não tenho dúvidas: isso é bom para a democracia americana e um exemplo para as demais democracias.

 

E, no entanto, não faltam, um pouco por todo o lado, aqueles que afirmam, peremptoriamente, que o cancelamento das contas de Trump pelas grandes plataformas de comunicação é um ato de censura. São os democratas distraídos. 

 

A pergunta a fazer é a seguinte: o incitamento ao ódio e à insurreição contra o sistema democrático é mera opinião? A resposta só pode ser uma: não. É crime. Tal como, por exemplo, é crime não apenas assassinar alguém, mas também mandar fazê-lo.

 

Durante os quatro anos em que esteve à frente dos EUA, DonaldTrump dedicou-se a espalhar mentiras e falsidades, a promover a divisão e a incentivar o ódio entre os americanos. Contou, para isso, com a benevolência não apenas das grandes plataformas tecnológicas, como o Twitter, mas também de poderosos conglomerados convencionais de comunicação, com destaque para o grupo Fox. Tais meios foram, portanto, responsáveis pela alimentação do trumpismo.

 

Toda a gente sabe que há uma América racista, xenófoba, negacionista e violenta, entre outros. Mas a verdade é que, durante os últimos quatro anos, essa América foi literalmente intoxicada pelo trumpismo e os seus aliados, o que lhe permitiu crescer, ao ponto de sentir-se encorajada, a 6 de janeiro último, a assaltar o símbolo da democracia americana.

 

De qualquer modo, o Twitter, seguido das restantes plataformas de comunicação digital, só cancelou a conta do a partir de hoje ex-presidente americano depois do ataque ao Capitólio. Ninguém no seu perfeito juízo, penso, tem dúvidas: o que aconteceu no dia 6 de Janeiro de 2021 nos EUA foi uma tentativa de reverter pela força os resultados eleitorais, ou seja, um putsh. No passado domingo, a imprensa local passou novas imagens desse episódio, que mostraram quão mais grave e dramático foi o mesmo relativamente ao que já era sabido.

 

O discurso de Trump na manhã de 6 de Janeiro incitando os seus aliados a atacarem o Capitólio passou em todas as televisões do mundo. Vários dos assaltantes afirmaram em directo estarem a obedecer à voz de Trump. As responsabilidades deste último são, por isso, inegáveis. Como continuar a afirmar que as suas declarações se enquadram no sagrado direito à liberdade de expressão e que impedir a sua difusão pelos meios de comunicação – que, privados ou não, têm uma responsabilidade pública – é, alegadamente, censura?

 

Claramente, a comunicação e o jornalismo precisam de repensar-se com urgência. Da sua articulação com a liberdade de expressão até à sua relação com a política e o mercado, a ideologia da objectividade jornalística, que descamba com frequência para o mero "jornalismo declaratório”, o mito das falsas equivalências e a luta pela audiência – os acontecimentos de 6 de Janeiro de 2021 em Washington vão obrigar o sector a uma profunda reflexão. Os americanos já começaram a fazê-la. Logo a mesma chegará a outras sociedades.

 

No espaço da língua portuguesa, os brasileiros – talvez por terem dentro de casa uma imitação ainda mais rasca de Trump – também estão a dar sinais nessa direcção.

 

Comentou o escritor António Prata, em artigo saído no Folha de São Paulo no último sábado: - "Ah, a liberdade de expressão! – Desculpem-me os relações públicas do Apocalipse, mas tocar as trombetas que fazem chover enxofre e transformam o mar em sangue não é liberdade de expressão, é assassinato em massa”.

 

*João Melo estudou Direito em Portugal e em Angola. Licenciou-se em Comunicação Social e fez o mestrado em Comunicação e Cultura no Rio de Janeiro.

Como jornalista profissional, trabalhou na Rádio Nacional de Angola, no Jornal de Angola e na Agência Angola Press.

Membro fundador da União dos Escritores Angolanos, actuou neste órgão como secretário-geral e presidente da Comissão Directiva. Actualmente, dirige uma agência de comunicação privada.

 



ver mais notícias

Imagens da Semana On Monday, January 25, 373 migrants on board the Ocean Viking were disembarked in the port of Augusta in Sicily. The migrants had been rescued from three different small boats in the space of 48 hours.

Mais imagens
Receba nossa newsletter Assine nossa newsletter e receba novidades por e-mail
Seu E-mail foi cadastrado com sucesso!
OpsSeu E-mail já está cadastrado em nosso newsletter!
ATENÇÃOO formato do e-mail está incorreto.
© Missionárias Scalabrinianas. Todo o conteúdo deste site é de uso exclusivo de Missionárias Scalabrinianas. Proibida reprodução ou utilização a qualquer título, sob as penas da lei. All rights reserved.