Artigos
21 de janeiro de 2021 A solidariedade social e o combate à pobreza
Sabe-se que muitas famílias angolanas vivem na extrema pobreza, não estando o Estado alheio a essa situação, que se agravou com a pandemia da Covid-19.

 

 

Vivemos uma crise económica, financeira e sanitária que tem afectado com maior gravidade as pessoas com baixos rendimentos ou mesmo sem quaisquer meios de subsistência.

 Perante a crise que estamos a viver, o Estado entende que deve intervir, sob diversas formas, para acudir famílias vulneráveis, de modo que tenham condições básicas para sobreviverem.

 

Em tempo de crise, o Estado deve procurar pôr em acção mecanismos de solidariedade para mitigar o sofrimento de muitos angolanos. Há quem na sociedade não tem qualquer fonte de rendimentos e tem de ser o Estado a proteger as camadas sociais que se encontram na pobreza extrema.

 

O Ministério da Acção Social, Família e Promoção da Mulher realizou segunda-feira última um encontro de concertação com igrejas, com vista à sua colaboração na reactivação do programa "Bolsa de Solidariedade Social", lançado em 2017.

 

É positivo o facto de as igrejas estarem a ser chamadas para se envolverem na reactivação do referido programa, até porque muitas delas têm muita experiência ao nível da acção social.

 

 A crise que atravessamos é de tal gravidade que convém que o Estado faça parcerias com outros segmentos da sociedade, com provas dadas no domínio da organização de assistência aos mais pobres.

As igrejas estão vocacionadas para a promoção do bem comum e faz sentido que o Estado se una a instituições religiosas, para ajudá-lo na implementação de um programa que vai permitir para, por um lado, fazer com que famílias carenciadas tenham acesso a bens de primeira necessidade e, por outro, o seu empoderamento, para a criação de projectos de empregabilidade.

 

O programa "Bolsa de Solidariedade" destina-se a abranger todas as províncias do país, pelo que é necessário que se crie uma máquina organizativa eficiente, de modo a que os seus objectivos sejam concretizados.

A experiência das igrejas ao nível da assistência social pode constituir-se em mais valia na materialização do programa e em garantia de que este não volte a paralisar.

 

Há muitas famílias que estão privadas de bens essenciais para a sua subsistência, pelo que se justifica a concertação entre o Estado e as igrejas, num momento difícil para muitos angolanos.

 Que se faça a concertação para a materialização do programa, a fim de que muitas comunidades possam viver com menos problemas de ordem social.



ver mais notícias

Imagens da Semana On Monday, January 25, 373 migrants on board the Ocean Viking were disembarked in the port of Augusta in Sicily. The migrants had been rescued from three different small boats in the space of 48 hours.

Mais imagens
Receba nossa newsletter Assine nossa newsletter e receba novidades por e-mail
Seu E-mail foi cadastrado com sucesso!
OpsSeu E-mail já está cadastrado em nosso newsletter!
ATENÇÃOO formato do e-mail está incorreto.
© Missionárias Scalabrinianas. Todo o conteúdo deste site é de uso exclusivo de Missionárias Scalabrinianas. Proibida reprodução ou utilização a qualquer título, sob as penas da lei. All rights reserved.