Brasil
14 de setembro de 2020 Campanha ‘Em fuga’ chama atenção para pessoas em deslocamento interno
O evento que dura de 14 a 30 de setembro, mostrará as diversas situações de deslocamento interno no mundo, como também, suas causas e consequências.

 

 

POR CAROLINA MORAIS

IMPRENSA SCALABRINIANA

DE BRASÍLIA - DF

 

Por ocasião do Dia Mundial do Migrante e do Refugiado 2020 proposto pelo Pontifício Conselho para os Migrantes e Itinerantes, do Vaticano, a Congregação das Irmãs Missionárias de São Carlos Borromeo Scalabrinianas da Província Maria, Mãe dos Migrantes, América do Sul e África,  promove a Campanha “Em fuga”, com o objetivo de chamar a atenção da sociedade sobre a situação das pessoas deslocadas dentro de seus próprios países.

 

O evento que dura de 14 a 30 de setembro, mostrará as diversas  situações de deslocamento interno no mundo, como também, suas causas e consequências.

 

A cada segundo, uma pessoa é forçada a abandonar sua casa em algum lugar do planeta. Segundo dados da Organização das Nações Unidas (ONU), dos 79,5 milhões de deslocados no mundo, até o fim do ano passado, 45,7 milhões são deslocados internos que fugiram para outras áreas dentro de seus próprios países sem perspectiva de retorno.

 

Este último grupo é composto por pessoas que foram forçadas a deixar seus lares por razões similares às dos refugiados, tais como perseguições, desastres naturais, falta de recursos, conflito armado, violência generalizada e grave violação dos direitos humanos que migram de uma região para outra, dentro do próprio país.

 

De acordo com o relatório Tendências Globais do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, de junho de 2020, a Colômbia é o país que possui mais pessoas deslocadas, ao todo foram 7,4 milhões. A violência associada ao tráfico de drogas é uma das principais causas. O estudo estima que 1% da humanidade se deslocou forçadamente em 2019, aproximadamente 79,5 milhões de pessoas.

 

Meninas indígenas deslocadas da Colômbia. A violência associada ao tráfico de drogas é uma das principais causas do deslocamento no país. Foto: IRIN / Kristy Siegfried (ONU).

 

Desde 2011, a Síria sofre com uma crise política causada por uma forte centralização do poder nas mãos do ditador Bashar al-Assad, além de uma enorme pressão de grupos como o Estado Islâmico. Esses conflitos levaram 6,6 milhões de sírios a migrar para outras regiões do país em 2019. Outro país que contou com um grande número de deslocados internos em 2019 foi o Congo, com 5 milhões de pessoas.

 

Deslocados internos no campo de Al-Mazrak, em Haradh, na região do Iêmen. Foto: OCHA.

 

Em 4º lugar no ranking de deslocamentos internos do mundo está o Iêmen, com 3,6 milhões de pessoas em 2019. Já o 5º país do mundo com mais deslocamentos internos é a Somália. Ao todo foram mais de 2,6 milhões de pessoas obrigadas a se mudar em decorrência de crises de insegurança, secas e enchentes.

 

Em mensagem oficial sobre  o tema, o Santo Padre comentou que “os conflitos e as emergências humanitárias, agravadas pelas convulsões climáticas, aumentam o número dos deslocados e repercutem-se sobre as pessoas que já vivem em grave estado de pobreza. ”

 

Brasil: Um descolado por minuto

 

Entre os anos 2000 e 2017, estima-se que o Brasil teve 7,7 milhões de deslocados internos, ou seja, uma pessoa por minuto. Os dados são do Observatório de Migrações Forçadas do Instituto Igarapé que mapeou também os casos mais emblemáticos de deslocamento interno. Entre eles, está o rompimento da barragem de Fundão, localizada no município de Mariana (MG), em 2015. Este foi um dos maiores desastres provocados pelo homem da história do Brasil. Vilas inteiras foram destruídas e 1.361 pessoas foram deslocadas.

 

A cidade de Brumadinho (MG) enfrentou uma tragédia semelhante em 2019, com o rompimento da barragem da empresa Vale do Rio Doce, o qual  ficou conhecido como o maior acidente de trabalho no Brasil em perda de vidas humanas e o segundo maior desastre industrial do século. O desastre industrial, humanitário e ambiental causou a morte de 259 pessoas, o desaparecimento de outras 11 e o deslocamento em massa das vidas que restaram.

 

Ruínas da tragédia provocada pelo rompimento de barragem do Fundão, da mineradora Samarco, em Mariana (MG). (Romerito Pontes/Wikimedia Commons)


Sobre as estatísticas dos deslocamentos no Brasil, cerca de 6 milhões de pessoas foram obrigadas a se mudar devido a desastres, como inundações e deslizamentos de terra. Por outro lado, obras de infraestrutura, como barragens hidrelétricas e estradas, provocaram o deslocamento de quase 1,3 milhão de pessoas no país.

 

A exemplo de obras de infraestrutura que geram deslocamentos, destaca-se o alagamento do reservatório da Usina de Belo Monte, em Altamira (PA), que encobriu uma área de 516 km² das águas do rio Xingu. Com a obra, muitas famílias ribeirinhas e povos indígenas foram deslocados para regiões próximas e ainda esperam para serem reassentadas. O Conselho Ribeirinho, formado por 22 membros das comunidades afetadas, estima que das 313 famílias impactadas por Belo Monte, 212 ainda esperam para serem reassentadas.

 

ndígenas do povo Pataxó Hã-Hã-Hãe, atingidos pelo rompimento da barragem da Vale em Brumadinho, na região metropolitana de Belo Horizonte, deixaram sua aldeia e se mudaram para a capital mineira.

 

Com relação à causa indígena, os deslocamentos são ainda mais graves. Territórios são invadidos sem motivo aparente e no caso Guarani Kaiowá, a situação tem levado a suicídios, fome, violência e confinamento em reservas. Algumas aldeias foram removidas por causa do uso abusivo de agrotóxicos pelas fazendas no entorno das comunidades.

 

Com a Campanha “Em fuga” as Irmãs Missionárias Scalabrinianas pretendem chamar a atenção para as  causas e as consequências dos  deslocamentos internos .

 

O Dia Mundial do Migrante e do Refugiado

 

Desde 1914, a Igreja católica celebra, no último domingo de setembro, o Dia Mundial do Migrante e do Refugiado (DMMR). Neste ano, a data será comemorada no dia 27 de setembro com o intuito de “demonstrar preocupação pela diversidade de pessoas ?em situação de vulnerabilidade e deslocamento, rezar por eles e impulsionar  a sensibilização acerca das oportunidades proporcionadas pelas migrações”, de acordo com o Vatican News.

 

Como lema da Campanha do DMMR 2020, o Santo Padre escolheu “Forçados como Jesus Cristo a fugir: acolher, proteger, promover e integrar os deslocados internos” para enfatizar o cuidado pastoral das pessoas deslocadas internamente. “Em cada um deles, está presente Jesus, forçado – como no tempo de Herodes – a fugir para Se salvar. A mensagem remete à fuga de Jesus para o Egito, quando, juntamente com seus pais Ele experimenta a dramática condição de deslocado e refugiado marcada por medo, incerteza e dificuldades (cf. Mt 2, 13-15.19-23).

 

Sobre o engajamento das Irmãs Scalabrinianas com a causa, a Animadora da Missão Apostólica das Scalabrinianas, Irmã Vicentina Roque dos Santos afirmou que “o sentido fundamental da missão e profecia Scalabriniana na Igreja e na sociedade se concretiza através da pastoral dos migrantes, nas diversas áreas de atuação: religiosa, educativa, cultural, social e da saúde”.

 

Irmã Vicentina assegura ainda que “a missão scalabriniana tem por objetivo primeiro incentivar o protagonismo do migrante e refugiado, dos deslocados por motivos diversos, apoiando-os em suas lutas e buscas, como sujeito ativo e responsável de sua história”.

 

Participarão ativamente da Campanha pastoralistas, religiosos e religiosas, atores e atrizes brasileiras que abraçam a causa da migração e do refúgio. “Agradecemos a todas as instituições, atores, religiosas e religiosos, membros da sociedade civil e todo o povo de Deus que aceitaram o desafio de engajar nesta Campanha, auxiliando-nos para que pudéssemos trazer à luz os debates e reflexões sobre a  temática do Dia Mundial do Migrante e Refugiado 2020, solidarizando-se com os milhares e milhões de deslocados, internos e externos, que vivem em condições de extrema vulnerabilidade social”, concluiu a Irmã.

 

Para o ator Eduardo Mossri, que tem abraçado com afinco a causa da migração e do refúgio, " é fundamental sensibilizarmos o olhar para compadecer e acolher as pessoas em situação de deslocamento interno".  Assista ao video:

 

 

 

 

Acompanhe esta Campanha, siga nas Redes Sociais e compartilhe:

Twitter: @Scalabrinianasp

Facebook: @scalabrinianaspmmm

Instagram: exodusmobilidadehumana

Youtube: missionárias Scalabriniana sp

 

 

 

 

 



ver mais notícias

Receba nossa newsletter Assine nossa newsletter e receba novidades por e-mail
Seu E-mail foi cadastrado com sucesso!
OpsSeu E-mail já está cadastrado em nosso newsletter!
ATENÇÃOO formato do e-mail está incorreto.
© Missionárias Scalabrinianas. Todo o conteúdo deste site é de uso exclusivo de Missionárias Scalabrinianas. Proibida reprodução ou utilização a qualquer título, sob as penas da lei. All rights reserved.