Brasil
5 de junho de 2020 "Eu não posso respirar". Por Alfredo Gonçalves, cs
Um voo de pássaro pela sociedade brasileira, entre tantas outras, bastará para dar-se conta de como o apartheid racial fundiu-se com o apartheid social – duas faces da mesma moeda – para perpetuar a segregação do povo afro-americanos.

 

 

POR ALFREDO GONÇALVES

RIO DE JANEIRO - RJ

 

A frase sufocada, repetida e quase inaudível de George Floyd navegou rapidamente por todo o universo virtual. Frase e imagem que, combinadas, representam o soco na boca do estômago da sociedade estadunidense e mundial. A combinação dramática entre as palavras e a cena, na abordagem policial, representa um choque duplo: pelo sadismo dos agentes brancos, violência fardada e “legal”; e pela humilhação contra o homem negro. Por isso, além de viralizar no mundo da Internet, a notícia criou pés e mãos, rostos e vozes, punhos erguidos e indignação, gestos e cartazes, faixas e mobilização – multidões em marcham pelas ruas, praças e lugares públicos, tanto nos Estados Unidos como em outras partes.

 

Imagem emblemática do racismo secular nas Américas, no Brasil e no mundo. A Senzala caída por terra com a cara contra o duro asfalto – inerte, asfixiada, indefesa e impotente – subjugada sob a força truculenta da Casa Grande. Brutalidade que, longe de terminar com o longo processo de “abolição da escravatura”, apenas mudou de roupa. Travestiu-se de legalidade para melhor oprimir, explorar, descriminar, marginalizar e, no limite extremo, eliminar. De resto, de um ponto de vista histórico e estrutural, enquanto a Casa Grande acumula privilégios, e estes são intocáveis; a Senzala recebe favores, e estes são eventuais, dependendo do humor do senhor de plantão. Se e quando os moradores da Senzala tentam transformar os “favores” em “direitos”, na tentativa de salvar a própria dignidade humana, vem a repressão. Mais uma vez, a força bruta simbolizada no capataz, no exército, na polícia. A luta do líder Zumbi, no quilombo dos Palmares, entre tantos outros, é reflexo dessa violência institucionalizada.

 

Um voo de pássaro pela sociedade brasileira, entre tantas outras, bastará para dar-se conta de como o apartheid racial fundiu-se com o apartheid social – duas faces da mesma moeda – para perpetuar a segregação dos povos afro-americanos. Dificuldades de acesso à educação e ao mercado formal de trabalho fecham-lhes outras portas relacionadas aos direitos humanos e cidadãos. Disso resultam os proventos inferiores para trabalhos iguais, a abordagem prepotente e arrogante de todo e qualquer agente de segurança, o olhar desconfiado e enviesado de boa parte das pessoas brancas (de “bem” porque de “bens”), o bullying sofrido em lugares públicos por crianças, jovens e adolescentes, a submissão às sobras de serviços indesejados, pesados e mal remunerados... Para não falar do preconceito e da estigmatização.

 

A asfixia de George Floyd, prolongada até a morte, tornou-se uma espécie de metáfora para o sufoco que todos nós sentimos diante da pandemia de Covid-19. A falta de ar sufoca e pode levar a óbito os que contraíram a doença, sufoca as famílias enlutadas, sufoca os que desejam mas não podem colocar na mesa “o pão nosso de cada dia”... E sufoca, de alguma forma, toda a sociedade. Todos ansiamos por sair, caminhar, respirar! Respirar não só pelas janelas, mas ao ar livre e ao sol; respirar o olhar, o sorriso, o toque e o abraço; respirar o encontro, o diálogo, a amizade; respirar o sonho, a busca, a liberdade.

 

Ao tolher o respiro, o coronavírus tira a vida. Mas entre os afrodescendentes, o grito ”eu não posso respirar” é mais eloquente, às vezes na proporção inversa de ser reprimido e silencioso. A desigualdade racial e social, que os torna mais frágeis e vulneráveis em tempos de paz, os atinge primeiro em tempos de guerra. Números, porcentagens, tabelas, estatísticas e gráficos, sejam eles de caráter oficial ou oficioso, popular ou científico, mostram à exaustão que o estigma da cor da pele e da escravidão segue desencadeando perseguição, marginalização, prisão e morte. Convém jamais esquecer que por trás desses números, frios e abstratos, existem nomes e rostos concretos, saídos de famílias reais, tais como George Floyd, Marielle Franco, João Pedro ou Miguel Otávio Santana da Silva, o menino negro de apenas 5 anos, filho de uma empregada doméstica, que caiu de um prédio e morreu por negligência da patroa, enquanto a mãe levava o cachorro dessa última a dar uma volta. Fica no ar a pergunta “até quando”?

 

Pe. Alfredo J. Gonçalves, cs, vice-presidente do SPM – Rio de Janeiro, 5 de junho de 2020



ver mais notícias

Imagens da Semana On Monday, January 25, 373 migrants on board the Ocean Viking were disembarked in the port of Augusta in Sicily. The migrants had been rescued from three different small boats in the space of 48 hours.

Mais imagens
Receba nossa newsletter Assine nossa newsletter e receba novidades por e-mail
Seu E-mail foi cadastrado com sucesso!
OpsSeu E-mail já está cadastrado em nosso newsletter!
ATENÇÃOO formato do e-mail está incorreto.
© Missionárias Scalabrinianas. Todo o conteúdo deste site é de uso exclusivo de Missionárias Scalabrinianas. Proibida reprodução ou utilização a qualquer título, sob as penas da lei. All rights reserved.